VIOLENCIA E CRUELDADE : A NOSSA DURA REALIDADE

 

Seu nome : MÁRCIO PINTO DE SOUZA.

Nascido no dia 12 de agosto de 1968, em São Paulo-SP. Filho de Joaquim Pinto de Souza e Elza do Carmo de Souza.

Em 01 de abril de 1978, veio residir em BRODOWSKI-SP, na Rua Maria Marcusso Delibero Grandi, nš 10, na Cohab II. Portador do RG nš 19.973.674-1 e do CPF nš 065414909/99.

Mais um ser humano, mais um filho de Deus, mas... a nossa realidade às vezes, é cruel.

Eis o depoimento de seu irmão, GILBERTO PINTO DE SOUZA, o BABU DO LANCHE, mostrando como foi a vida e a morte de seu irmão, numa história que deve servir de exemplo para todos nós, que deve servir de exemplo para quem se desvia do caminho e parte para às drogas, que deve servir de reflexão para os homens e mulheres que não medem conseqüências de seus atos, de suas palavras, e que nos levam a pensar seriamente como devemos agir, como devemos cuidar de nossos filhos, como devemos saber respeitar e principalmente ajudar o nosso próximo :

 

" - Márcio foi um menino fadado a um destino sofrido, pois já nasceu com um problema estético na face que o marcaria durante toda sua vida.

Com sua voz fanhosa e seu nariz torto, ele também não tinha o céu da boca, e por necessidade , sofreu inúmeras intervenções cirúrgicas, nem sempre bem sucedidas.

Devido a esta marca estética, sempre foi vítima de gozações e piadinhas. Infelizmente na sua adolescência, ele não teve estrutura para enfrentar sozinho o seu defeito, e foi ai que ele arrumou uma companheira que traçaria o seu destino : A DROGA.

Foram mais ou menos 12 anos usando cocaína, crack, maconha e álcool. A família sempre tentando de todas as formas ajudar, mas tudo em vão.

Márcio era um homem de 32 anos, com um coração enorme, pois não era capaz de matar e nem roubar. Sempre prejudicou a ele mesmo, vendendo por bagatela tudo aquilo que tinha, para fazer uso da droga (prodigalidade). Como exemplo, 1 Brasília 1973 por R$ 200,00, 1 vídeo, 1 televisão, 1 aparelho celular por R$ 300, 00, um botijão de gás e fogão 6 bocas por R$ 50,00, etc.., etc....

Bens estes que eram comprados por pessoas que o conheciam e sabiam do destino daquele dinheiro : A DROGA.

Márcio dividia a comida que tinha com os amigos em dificuldades, dava asilo em sua casa para animais abandonados; enfim, era um homem com um bom coração, mas com a cabeça doente. Quando bêbado, se tornava chato, fato este de conhecimento de toda a cidade, pois quem não conhecia do CHUPETA ..., o MARRETEIRO que perturbava o sossego de todos, porém nuca matou, nunca quebrou nada dos outros, nunca espancou ninguém com requinte de crueldade.

No dia 14 de dezembro de 2.000, Márcio se envolveu em uma briga com um vizinho e como estava bêbado, não soube se controlar e agrediu com as mãos seu oponente. No auge da briga, uma segunda pessoa também foi agredida ( uma mulher ). Agressões estas que não levaram ninguém para o hospital, agressões estas sem danos físicos, somente arranhões !

Mas, na madrugada de 15 de dezembro de 2.000, a casa de Márcio, único bem do pai dele, foi invadida por vândalos armados com pé de cabra, teve suas janelas quebradas, seus vidros estilhaçados, para que este vândalos pudessem entrar na casa para agredir o Márcio. Como ele não estava, estas pessoas ficaram de tocaia até sua chegada, pois Márcio estava com medo de represálias da briga anterior e se ausentou até às 4 horas da madrugada e quando veio pegar sua mala para ir trabalhar, marretar.

Ai então, foi vítima de dois homens. Sendo espancado cruelmente. Armados com os mesmos pés de cabra com que sua casa foi violada, estes vingadores o espancaram até à morte.

O resultado do espancamento foi dado pelo legista, Dr. Mário Marcos G. Abeio, que deu como causa mortis : "desorganização de estrutura encefálica, hematoma subdural agudo, temporo palietal, traumatismo cranioencefálico grave, agressão física e espancamento".

Em outras palavras, teve sua cabeça e parte do corpo destruídos por golpes de pé de cabra.

Márcio foi sepultado no dia 16/12/2000, Sábado, às 9 horas, vítima da desumanidade que vivemos. Não é o primeiro e nem será o último. Enquanto nossos governantes não enxergarem que nosso código de leis está ultrapassado e cheio de falhas, outros filhos da nossa amada Brodowski, outros filhos do nosso mundo, também serão mortos no chão molhado e frio de nossas ruas, enquanto a impunidade reina ....

Quero aqui deixar o meu desabafo e pedir que este caso seja usado como exemplo pra que a justiça do homem se faça. Quero aqui pedir à sociedade que tomem cuidado com a companhia da MORTE que se chama DROGA. Para que cuidem de violência doméstica, pois hoje nossos filhos estão morrendo por muito pouco.

Ensinem a seus filhos a não "gozarem" de pessoas com problemas estéticos para que ninguém se sinta humilhado e não tenham em suas vidas traumas que um dia poderão se fatais.

Nestas minhas palavras, não me dirijo a ninguém em especial, mas sim à toda sociedade.

Finalmente, deixo aqui registrado o meu pensamento e o meu adeus ao meu irmão, Márcio Pinto de Souza, o CHUPETA.

 

 

Que a vida e a morte do MÁRCIO sejam realmente motivos de reflexão por parte de todos nós, que nos levem a ver que em nossas vidas temos responsabilidade com o meio em que vivemos, que temos que ser mais humanos, mais tolerantes, mais amigos, mais participativo.

Que o seu exemplo seja assimilado pelos nossos jovens, para que eles sintam e saibam como é a vida de quem entra para o mundo das drogas. Para que sirva de exemplo para os pais de família, os educadores, autoridades e governantes, aqueles que também o poder e o dever de fazer algo pelo nosso mundo, pelo nossa sociedade, pelos nossos filhos, enfim por nós mesmos, para que possamos ter então um mundo mais humano, mais solidário, um mundo melhor.

Que a morte do Márcio não tenha sido em vão....

 


Voltar para página inicial do PROJETO AMANHECER